NO DISC, NO FILMS

O segmento deste blog não é discos e filmes para baixar, embora eu farei comentários sobre discos e filmes que eu gosto e outros que eu não gosto mas acabei assistindo e extraindo algo de legal. Minha opinião pode não interessar para ninguém, mas... pensando bem, tem tanta gente por aí opina e escreve... sou apenas mais um. Apenas um aviso, meus comentários as vezes são corrosivos. Dizem na minha família que eu já nasci rabugento.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Beatles no Natal



No dia 17 de outubro de 1963 os Beatles entravam em estúdio para gravar o take 12 de "You Really Got a Hold On Me", 17 takes de "I Want to Hold Your Hand" , 17 takes de "This Boy" e a mensagem de natal aos membros do fã clube oficial dos Beatles. Também é a primeira vez que usam a nova mesa de gravação da EMI. Grande sacada do assessor de imprensa Tony Barrow. Aliás, 1963 foi o ano dos Beatles. Agora em 2013 temos motivos e mais motivos para comemorar 50 anos de vários trabalhos dos Beatles. Além dos 50 anos do lançamento do primeiro LP, do último show no Cavern, da canção “She Loves You” entre outros feitos, do primeiro compacto de natal.
A minha beatlemania quando se manifestou por volta de 1988, não eram todos os discos que eu conhecia, muito menos todas as músicas, quando eu podia imaginar que um dia eu viria a saber da existência de discos que eu nunca tinha ouvido falar. Muito menos os compactos de natal que eram enviados a todos os membros do fã clube oficiais no período de 1963 a 1969. Um compacto por ano em forma de flexi-discs de sete polegadas (discos mais finos e mais frágeis e de custo inferior). Todos os compactos foram reunidos no LP “The Beatles Christmas Album” lançado em 18 de dezembro de 1970, depois da dissolução da banda.
O conteúdo das gravações são mensagens de natal, seja no improviso ou um texto preparado especialmente para a ocasião, o legal é que podemos ouvir os Beatles como não ouvimos nos discos oficiais. Nos discos de natal tudo é muito espontâneo, em altíssimo astral e destaque para o senso de humor presente nos 4 meninos de Liverpool. Além de diálogos, paródias temos músicas inéditas como a maravilhosa “Christmas Time is Here Again”.
Todos os compactos


Christmas Time is Here Again (completa)
 


Ainda em 1971 sai o compacto Happy Xmas (War Is Over) de John e Yoko, canção aliás que eu particularmente não posso ouvir, meu pai morreu no natal de 1990.
É possível ouvir todos os compactos separados através da internet pelo endereço


Fontes de pesquisa:


Abaixo todas as capas, todos os compactos. Super Ultra Mega Blaster Master raridade quem tem isso. Quem tiver repetido estou aceitando doações, retiro no local. 





































domingo, 15 de dezembro de 2013

Blog Elvis Presley Rei do Rock



Blog dos Manos e das Minas
Uma das colunas aqui no blog é justamente falar do blog dos manos e das minas. Estou retomando esse trabalho de falar dos blogs que eu acompanho, acesso, leio e comento.
Por meio das minhas andanças na internet... Tá, eu estava no facebook. Então, em um dos grupos sobre Elvis Presley, vi a divulgação de um blog só sobre Elvis. E blog é uma coisa queeu sempre paro para ver. O blog é de uma menina carioca da gema e somente sobre a vida e obra de Elvis Presley. Desde o primeiro acesso tomei um susto com a quantidade de a qualidade das informações sobre Elvis. Tudo é relacionado a ele: lançamentos, livros, revistas, DVDs, o que acontece em Graceland, uma cobertura sobre os shows In Concert no Brasil, sobre a Elvis Experience, discografia, filmografia, fotos e o melhor: o desing do blog é muito legal, os textos são muito bem escritos. Eu sou suspeito em falar, pois toda postagem lá eu acesso, leio e comento. E a Simone tá sempre por aqui também nos enriquecendo com suas visitas e comentários. Acessem o blog Elvis Presley Rei do Rock, que além desse também tem um blog sobre o Arcanjo Miguel, e outro sobre o ator Heath Ledger.
Elvis Presley Rei do Rock
Inesquecível Heath Ledger
Arcanjo Miguel
Simone, muito sucesso com os seus blogs, sou fã dos seus textos, postagens e da originalidade sobre tudo que escreve.
Beijo do Baratta

domingo, 8 de dezembro de 2013

33 anos sem John Lennon



Eu fiquei me perguntando o quê exatamente ou sobre o quê falar nesse texto, pois não queria que essa data passasse em branco aqui no blog. De tempos em tempos, somos surpreendidos com caixas de CDs remasterizados, reedições, edição de luxo, edião de luxo para colecionador, livros, DVDs, documentários, filmes, isso se nos restringirmos aos materiais oficiais. Os lançamentos não oficiais sempre acabam saindo um vídeo no you tube, uma foto, enfim a lista é imensa. Enfim, tudo surge tão rápido que muitas vezes nem bem acabamos de conhecer um material recém-lançado e já aparece outro. Esse é o momento em que eu volto um pouco na idade da pedra lascada, uns 20 anos atrás quando eu dava os primeiros passos de assistir um vídeo, ou ler alguma resenha em um fanzine, sim, a gente sobrevive sem internet. Um belo dia, procurando por algo que me interessava em uma vídeo-locadora (um dia eu explico o que vem a ser isso) perto de casa, junto com amigos (que também compartilhava da Beatlemania recém-descoberta já beirando a doença) achamos essa fita de vídeo. Afinal, o que seria isso, filme, documentário? Foi assim que conhecemos um pouco mais de John Lennon.
Imagine, produzido em 1988 surgiu como uma resposta ao desprezível livro de Albert Goldman que falava mal de John do começo ao fim. Assim como tinha feito com Elvis também. O filme é o resultado de mais de 200 horas de gravação em filme, áudio, entrevistas, etc. John & Yoko filmavam tudo, um documento em vídeo do dia a dia de um gênio. Por mais que o leitor não simpatize com a Yoko, o lançamento desse documentário, assim como tantos outros que surgiriam no decorrer dos anos seguintes, só foram possíveis por vontade dela. Reais motivos à parte, se foi para manter a caixa registradora dos Lennons funcionando ou não, pelo menos para mim não importa. Nesse momento pertenço a turma do “nós que somos fãs de John agradecemos”!

O documentário é narrado por John, Yoko, tem depoimentos de Cynthia Lennon, Julian (filho de John e Cynthia), Sean (filho de John & Yoko) que no ano de 1988 ele participaria do filme Moonwalker de Michael Jackson, depoimentos de George Martin (o quinto Beatle), entre outros o jornalista e amigo Elliot Mintz. O documentário mostra e fala de John da infância até a vida adulta, na vida artística, o filme mostra dos Quarrymen, até o último disco solo em 80. Ainda mostra Lennon em casa, gravando (destaque para o take de "How Do You Sleep" música feita especialmente para Paul McCartney e com George Harrison na guitarra solo), desenhando, sendo entrevistado, em manifestações, sim, ele já fazia isso nos anos 70, o filme também mostra trechos de shows, enfim, é imperdível. Esse filme também teve um disco trilha sonora que alternava entre a fase Beatles e a carreira solo.

Bom, eu vou passar o fim de semana do 08 de dezembro assistindo esse documentário e ouvindo os discos de John. 

 

Milk and Honey – John & Yoko

Milk and Honey é um disco póstumo. Foi lançado em 1984. Gravado, segundo informações após as sessões de Double Fantasy. O esquema é o mesmo do Double: Uma faixa do John, outra da Yoko.

Lado 1

1.       I´m Stepping Out (John Lennon)

2.       Sleepless Night (Yoko Ono)

3.       I Don´t Wanna Face It (John Lennon)

 

4.       Don´t Be Scared  (Yoko Ono)

5.       Nobody Told Me (John Lennon)

6.       O´ Sanity  (Yoko Ono)

Lado 2

1.       Borrowed Time  (John Lennon)

2.       Your Hands  (Yoko Ono)

3.       (Forgive Me) My Little Flower Princess  (John Lennon)

4.       Let Me Count the Ways  (Yoko Ono)

5.       Grow Old with Me (John Lennon)

6.       You´re the One  (Yoko Ono)

Alguém até poderia perguntar para mim: Poxa, mas logo esse Baratta? Sei que o John tem ótimos discos gravados em vida.

Eu não conseguiria destacar uma música desse álbum. Todas (do John claro) são excelentes e de um alto astral incrível. Logo no início a “I´m Stepping Out” tem uma energia muito boa. O que nos leva a pensar o que estaria por vir em termos de discos de John após o Double Fantasy. Sim, sim, o Double Fantasy é o álbum da volta, mas no Milk and Honey, pelo menos para mim, as canções estão mais trabalhadas em termos de arranjos, a sonoridade Lennon está impecável. “Nobody Told Me” é um grande trabalho. Ah, sem mais, desse disco eu gosto de todas (do John).