NO DISC, NO FILMS

O segmento deste blog não é discos e filmes para baixar, embora eu farei comentários sobre discos e filmes que eu gosto e outros que eu não gosto mas acabei assistindo e extraindo algo de legal. Minha opinião pode não interessar para ninguém, mas... pensando bem, tem tanta gente por aí opina e escreve... sou apenas mais um. Apenas um aviso, meus comentários as vezes são corrosivos. Dizem na minha família que eu já nasci rabugento.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Ô legal, cê toca é?





Essa é uma das frases mais ouvidas pelas pessoas que tocam algum instrumento. Ainda tem a frase “Ah, eu queria / sou apaixonado / meu sonho é tocar violão”. Vou falar hoje um pouco sobre músicas, mais especificamente sobre violão. A história de quase todo mundo que toca é mais ou menos parecida.
·         Ah, tinha um violão velho lá em casa
·         Meu vizinho tocava
·         Meu amigo da escola tocava
No meu caso, eu comecei a participar do grupo de jovens da igreja católica com meus 14 ou 15 anos e na igreja tinha várias pessoas que tocavam. E começou a ter aulas numa noite da semana. E um belo dia eu estava tocando “Marcha Soldado”, com certa ausência de desenvoltura pra montar o Ré e o Lá. Decorar o que era o sistema de cifras pra mim ainda era algo difícil, afinal, porque raios o D era Ré e não Dó? Mas eu me cobrava, pois tocar violão era uma coisa que eu queria. Naquilo era meu dever me dar bem, já que até os 15 anos eu não era o aluno exemplar da escola, ou seja, era ruim em tudo. Era ruim empinando pipa, jogando taco, jogando botão, mas no violão havia possibilidade de eu me dar bem. Já que a música era mais presente em minha vida que futebol, ou qualquer outra atividade. Tinha um professor, o mesmo cara que tocava na missa, talvez num primeiro momento não tivesse manifestado em mim uma vontade de tocar na missa, mas com o tempo pensei: Oh, tocar na missa! Esse professor também tinha banda (sim, já chamava de banda e não conjunto) hehe. Eis que um dia um sábado ao chegar na casa dele pra ver um ensaio da banda, ele me entrega um violão e pasta emprestados dizendo que ia tocar na praia e se eu poderia tocar na missa que era no dia seguinte. Corri na igreja no sábado ainda, falei com meu padrinho e expliquei. O clima que ficou no ar é: FUDEU!
E assim lá fui eu tocar na primeira missa por volta de 1989. Quando está começando ser amigo de alguém que também está começando ajuda muito. O irmão Sérgio, praticamente cresceu junto sempre tocando. Tocávamos junto com os discos dos Beatles, bom, pelo menos tentávamos.
O que ajudava muito a gente naquela época eram as revistas de cifras que vendiam na banca. A maioria VIOLÃO & GUITARRA, ou a VIGU traziam músicas de vários estilos e épocas, ou as vezes vinha uma edição inteira sobre um artista ou banda.
Em algumas revistas com músicas em inglês vinham a letra, os acordes (notas) a tradução e a pronúncia. 



Hoje a internet, se não matou, está matando aos poucos a mídia impressa. Hoje existe vídeo-aula (o que eu acho que não resolve muito) pois o professor do vídeo, ele não espera você aprender tal acorde, uma levada, ritmo... o vídeo simplesmente corre, a não ser que você dê um pause. Ainda encontram-se revistas com cifras em bancas, tem gente que coleciona essas revistas, ou que guardaram, enfim... elas ainda existem por aí.
Se o leitor pretende um dia tocar violão, vá em frente, não desista. Agora, uma coisa que me ajudou muito foi a paciência e compreensão das pessoas em volta. Geralmente quem está começando pergunta: como está? Se o ouvinte for uma pessoa compreensiva, na certa vai responder: Poxa, você andou treinando? Tá melhor que a última vez. Caro futuro músico: desconfie. Se cobre cada vez mais, sempre busque ultrapassar seus limites. Não, não quero com isso transformá-lo em um neurótico igual a mim.
Mas dou umas dicas, arrume as cifras do disco “As Quatro Estações” do Legião Urbana e todos dos Beatles.
Agora passear pelo facebook ás vezes pode ser engraçado!
FONTE DESSA IMAGEM: rockeoutrasdrogas.blogspot.com






FONTE DESSA IMAGEM: rockeoutrasdrogas.blogspot.com

Música lava a alma! Pense nisso!
 

7 comentários:

  1. Muito legal essa postagem Baratta!
    Eu infelizmente não toco nenhum instrumento. Mas, tenho total fascínio pelo violino e a flauta.
    Parabéns pelo belo texto! Acredito que muitos leitores irão se identificar.

    Um beijão :)

    ResponderExcluir
  2. Violino e flauta, dois importantíssimos instrumentos, mas que pouca gente liga, o violão e teclado ainda dá pra se virar com as famosas cifras, os acordes, agora o violino e a flauta, creio que a pessoa precise aprender a ler música, na partitura (o que eu nunca aprendi) tentaram me ensinar, mas não tem jeito rs, não vai.
    Beijo Baratta

    ResponderExcluir
  3. Eu comecei a comprar essas revistinhas antes mesmo de ter um violão, ainda tem uma pilha boa delas aqui. Tenho também um curso bem bacana que era comprado em fascículos e tinha teoria musical, partituras, um material bem bacana que ainda tenho aqui e ainda consulto às vezes. Mas sempre recomendo fazer aula a quem quiser se aprofundar mesmo no instrumento e na música de maneira geral.

    Ah, propósito, eu acho que tinha essa dos Beatles aí na foto do topo da postagem, mas me levaram emprestada e nunca mais vi.

    Abraço, mano!

    ResponderExcluir
  4. Muito bem, quanto a mim, além de continuar ruim em tudo, não aprendi a tocar p. nenhuma. Não tenho ritmo,. nem pra bater palmas.
    Mas quem sabe, daqui a umas duas ou três encarnações, se me aplicar muito...

    ResponderExcluir
  5. Djair mano do céu. Ruim em tudo? Tu tá doido é? Você escreve bem pra caramba mano. Aliás, eu to voltando a compor. Em breve estarei gravando uma base de violão aqui no computador e te mandando, tu faz a letra.
    Abraço Baratta

    ResponderExcluir
  6. KKKKKKKKKKKK Bem, digamos que me esforço um pouquinho. Opa fazer a letra é mais fácil que cantar! :)
    Abração

    ResponderExcluir