NO DISC, NO FILMS

O segmento deste blog não é discos e filmes para baixar, embora eu farei comentários sobre discos e filmes que eu gosto e outros que eu não gosto mas acabei assistindo e extraindo algo de legal. Minha opinião pode não interessar para ninguém, mas... pensando bem, tem tanta gente por aí opina e escreve... sou apenas mais um. Apenas um aviso, meus comentários as vezes são corrosivos. Dizem na minha família que eu já nasci rabugento.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Ó ceus, ó mês, ó cultura...

Acordar hoje em dia é uma tarefa cada vez mais difícil, pois eu fico me perguntando: Qual será a aberração de hoje na mídia? Sempre me falaram que eu sou rabugento, que eu sou o chatão, mas tenho lá meus motivos para carregar tal rótulo. Pessoas assim sofrem, pois sempre pensam ao seu modo, sozinhas, até concordo de certa forma, pois quem gostaria de conviver com uma pessoa que reclama o dia todo? Até Mr. Raul Seixas já falava em Ouro de Tolo: “Ah! Mas que sujeito chato sou eu Que não acha nada engraçado Macaco praia, carro, jornal, tobogã, Eu acho tudo isso um saco”. Quem da massa de pessoas que compõe o grupo que acha tudo legal, engraçado, interessante? Ou seja, as hienas que comem merda, acham gostoso e riem para tudo. Quem?
Aprendi desde cedo que “ilha” antes de ser paraíso fiscal cercado de dinheiro por todos os lados, é uma porção de terra cercada de água por todos os lados. Assim é o público, uma pessoa normal, mortal e que recebe uma enxurrada de informações por dia, grande parte dessas veiculadas pela mídia: TV, Rádio, Internet, Jornal, Revistas, Blogs, Sites específicos, Gibis, enfim, tudo o que é meio de comunicação.
A partir daí a pessoa usa o seu poder de discernimento para gostar ou desgostar do que vê, assiste, ouve, é questionado quando alguém comenta no serviço, caminho de casa para o trabalho, escola, é muita informação diária.
Encurtando o assunto, já não bastasse a avalanche de informações, notícias, os nossos próprios afazeres que temos todos os dias, ainda somos surpreendidos por aberrações que nos cercam sobre todos os lados.
Ilustres desconhecidos estão ganhando notoriedade a nível nacional (ufa, já não chega a imagem que o Brasil tem no exterior). Andy Warhol já dizia na década de 60 que todo mundo teria seus 15 minutos de fama. Analisando mais friamente os dias de hoje, vejo que o empresário, pintor, cineasta, o maior nome do pop art mundial, não disse apenas uma frase: isso é uma profecia. Não irei fazer aqui uma retrospectiva do tipo Sobe e Desce da mídia como faz o site do MSN e sites específicos em enaltecer pessoas desprovidas de talento (para qualquer coisa que seja). Vou colocar uma lista aqui dos cinco primeiros lugares de aberrações que me chamaram atenção nos últimos dias.
Mais um parágrafo, agora sobre o talento. Muito antes de Talento ser o nome de um saboroso chocolate, a palavra Talento foi usada pela primeira vez na bíblia, o livro mais antigo. vocação ou dom é também o nome que se dá a habilidades artísticas ou então a prática, habilidade para desenvolver algo.
Bom, vamos a lista:
5º Lugar – Luiza voltou do Canadá e só faltou fazer uma ponta nas novelas da Globo.
4º Lugar – Michel Teló é sucesso na Europa.
3º Lugar – Big Brother Brasil – já não bastasse que o programa é o top em lançar celebridades instantâneas, a décima segunda edição do reality show é palco de um suposto estupro, a coisa está sendo investigada e um dos envolvidos foi expulso da novelinha combinada onde os atores são todos conhecidos ou dos produtores, ou amigo do amigo, ou amigo do porteiro.
2º Lugar – Problemas na saúde que ninguém toma uma atitude.
1º Lugar – Problemas na educação que ninguém toma atitude.

4 comentários:

  1. Sei lá,desde que disco deixou de receber a frase "Disco é cultura"....

    Hoje qualquer coisa é "massa","bacana",culpa do da falta de educação então culpa dos governantes,e por fim culpa nossa.

    ResponderExcluir
  2. Que lembrança feliz do ToinhoRC acima, quantos discos poderiam estampar essa frase hoje sem ser acusado de propaganda enganosa?

    Por essa e outras que você citou no post que eu vou estocando em casa, discos, livros e vídeos para um futuro (presente) caso eu dure muito mais tempo porque como diz aquela letra do Belchior: "nossos ídolos ainda são os mesmos...você diz que depois deles não vieram mais ningém..." então o lance é bancar a formiguinha da fábula com a cigarra e ir estocando comida (cultura) em casa porque esse inverno cultural que vivemos promete ser longo, talvez eterno...

    ResponderExcluir
  3. não tinha pensado por esse lado da formiga mano, realmente. Quanto ao nosso querido amigo e frequentador do blog tbm Toinhorc, disco é cultura, hoje em dia são poucos os discos em que poderia se colocar essa frase.

    ResponderExcluir